Lixo Espacial e Objetos na Órbita Terrestre em Tempo Real

Quase tão bacana quanto conhecer os 150 mil satélites e pedaços de lixo espacial girando em tempo real em torno do nosso planeta é o fato de que a incrível visualização 3D foi desenvolvida por um adolescente de 18 anos!

Já faz quase seis décadas que a extinta União Soviética colocou em órbita o modesto Sputnik, uma esfera de metal que se tornou o primeiro satélite da humanidade a chegar ao espaço e orbitar nosso planeta. De lá para cá, um número absurdo de satélites foi lançado e muitos deles já viraram sucata há tempos, mas continuam rodando perdidos lá em cima.

Há muito lixo na órbita da Terra. Muito mesmo, e boa parte não vai reentrar tão cedo. Não estamos tão ruins quanto na animação WALL-E, mas já tivemos vários acidentes envolvendo lixo espacial, inclusive o pobre cubesat do Equador que foi obliterado por restos de um foguete russo.

Boa parte desse lixo é monitorada e a ISS de vez em quando manobra para sair de rotas de colisão. Estima-se que haja por volta de 500 mil peças menores de 10 cm que ninguém sabe onde estão e uma porca a 28.000 km/h faz mais estrago que a Miss Piggy (OS MUPPETS) de TPM!

A NASA e o NORAD mantém um catálogo público com os 21 mil objetos com mais de 10 cm orbitando a Terra. Esse é o lixo espacial realmente perigoso. O que cai logo após o lançamento, esse é tranquilo.

O lixo em órbita ameaça muito mais que as pessoas em terra: pode chegar o dia em que ocorra a Síndrome de Kessler, um efeito em cascata onde lixo colide com lixo que colide com satélites gerando mais lixo e acabamos com toda a órbita baixa terrestre inabitável por décadas.

Em vermelho são satélites, em cinza são destroços e lixo em geral e em azul são estágios de foguetes. Você consegue ver tudo em tempo real acessando este site aqui!

O maravilhoso mapa 3D, que começou a ser desenvolvido em abril de 2015, era nada mais que um “passatempo” de um adolescente de 18 anos. “Usando esses parâmetros orbitais, o Stuff In Space utiliza um modelo de propagação para prever a localização de todos os satélites em tempo real, com uma precisão de alguns quilômetros, e mostra os dados usando uma visualização WebGL com uma visão acurada da rotação da Terra e do ângulo da luz do sol”, disse ao site Gizmodo o jovem prodígio James Yoder.

É simplesmente possível clicar nos satélites para explorar ou então digitar um nome específico que se queira saber mais – aparece uma ficha com informações como o ano de lançamento, a velocidade e a altitude. O site também conta com 6 categorias diferentes para filtrar os objetos.

Traduzido/Modificado: Popular Science

Não se assuste tanto, pois a escala engana. Cada ponto tem o tamanho equivalente à cidade de Salvador. Os objetos não estão tão apertados assim lá em cima.

2 comentários em “Lixo Espacial e Objetos na Órbita Terrestre em Tempo Real

  1. MAURICIO BAENA Responder

    Bom dia. Gostaria de saber se vocês possuem um grupo de WhatsApp aberto ao público, em troquem informações.

Deixe uma resposta para Betty Zucolotto Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *